Câmara torna público celular do Presidente Temer

Repórter do Jornal O Globo ligou para o número e falou com o presidente da República

A Câmara dos Deputados tornou público o número de um telefone celular de uso pessoal do presidente da República, Michel Temer. O registro estava num aparelho iPhone do ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência Geddel Vieira Lima, apreendido pela Polícia Federal (PF) numa das operações derivadas da Lava-Jato. O conteúdo extraído do celular de Geddel, centenas de outros documentos e vídeos de delatores – entre eles o doleiro Lúcio Funaro – foram compartilhados com a Câmara, que vai analisar a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente. Todo o material foi disponibilizado no site da Casa e pode ser acessado por qualquer cidadão. A reportagem do GLOBO ligou no número de Temer às 16h36m desta segunda-feira e falou com o presidente.

Primeiro, o repórter questionou se o celular era do Palácio do Planalto. O presidente disfarçou e disse que não. Depois, foi detalhado que o número estava na agenda de Geddel como sendo do presidente da República. O ex-ministro está preso preventivamente no Presídio da Papuda, em razão das suspeitas de que manteve R$ 51 milhões num "bunker" em Salvador, também apreendidos pela PF. Temer pediu:

— Liga aqui para o gabinete do presidente e fala com a dona Nara (de Deus, chefe de gabinete de Temer).

— Eu estou falando com o presidente, não estou? — questionou o repórter.

— Está, perfeitamente — respondeu.

Temer disse não ver problema em seu número de celular pessoal estar disponível no site da Câmara, junto com o material relacionado à segunda denúncia da PGR. Os documentos das investigações foram compartilhados com a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, que fará a primeira análise em relação à denúncia.

— Se você ligar para... quem... Se você ligar para qualquer ministro ou qualquer ex-ministro, ou qualquer deputado, vai encontrar esse número também. Acho que centenas de pessoas têm esse número. (...) Aliás, umas das críticas que eu recebo é que eu atendo o meu celular — disse o presidente.

Fonte: Jornal O Globo