Temer exonera oito ministros para votar denúncia na Câmara

Presidente abre mão temporariamente de auxiliares para que eles reassumam mandatos parlamentares e reforcem base para barrar acusação

Foto: Evaristo Sá/AFP


A cinco dias da votação da segunda denúncia criminal contra ele no plenário da Câmara, o presidente Michel Temer (PMDB) exonerou oito ministros que são parlamentares licenciados, para que eles reassumam os mandatos e reforcem a base aliada na decisão do próximo dia 25. As movimentações foram publicadas no Diário Oficial da União desta sexta-feira.

Deixam momentaneamente os cargos os seguintes ministros: Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo/PSDB-BA), Mendonça Filho (Educação/DEM-PE), Bruno Araújo (Cidades/PSDB-PE), Leonardo Picciani (Esporte/PMDB-RJ), José Sarney Filho (Meio Ambiente/PV-MA), Ronaldo Nogueira (Trabalho/PTB-RS), Marx Beltrão (Turismo/PMDB-AL) e Maurício Quintella (Transportes/PR-AL).

Os oito auxiliares do presidente se juntam a Fernando Coelho Filho (PSB-PE), ministro de Minas e Energia, que já havia deixado o cargo na quarta-feira. Coelho Filho e o ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), voltaram à Câmara para tentar evitar a operação do comando do PSB contra o governo.