Morre o diretor de futebol do Atlético, Eduardo Maluf, vítima de câncer

Maluf fez carreira de sucesso à frente de Atlético e Cruzeiro

Morreu nesta quinta-feira o diretor de futebol do Atlético, Eduardo Maluf, aos 61 anos. Ele estava afastado das funções no Atlético para o tratamento de um câncer no estômago. A assessoria de comunicação do clube alvinegro confirma a informação.

Foto: Edesio Ferreira/Estado de Minas

Eduardo Maluf foi um diretor de sucesso no Galo e no Cruzeiro

No primeiro semestre de 2016, Maluf foi diagnosticado com câncer no estômago. Ele precisou se submeter a um tratamento intensivo de quimioterapia. O futebol ficou em segundo plano. Liberado pelo médico, voltou às atividades profissionais no Galo no começo deste ano. A doença voltou a atacá-lo. Novamente saiu de cena. Desta vez, não voltaria mais.

Maluf sempre foi ligado ao esporte. Jogou futsal e futebol no Valério, de Itabira.

Maluf começou a carreira em funções administrativas do futebol ainda no Valério. Teve rápida passagem pelo Galo em 2000. Depois, em 2001, assumiu cargo de diretor de futebol do Cruzeiro. Ele foi contratado pelo então presidente da Raposa, Zezé Perrella. No clube celeste, conquistou 16 títulos.

Como diretor de futebol do Galo, Eduardo Maluf participou das conquistas do Campeonato Mineiro (2012, 2013, 2015), da Copa Libertadores (2013), da Recopa Sul-Americana (2014) e da Copa do Brasil (2014).

Cruzeiro

Eduardo Maluf chegou ao Cruzeiro e participou das gestões dos presidentes Zezé Perrella e Alvimar Perrella. Como chefe do departamento de futebol do Cruzeiro, montou a equipe que conquistou a Tríplice Coroa (Estadual, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro).

Em 2010, Maluf foi demitido pelo ex-presidente Zezé Perrella, que o substituiu por Dimas Fonseca, um dos grandes erros de Perrella no clube. Se, por um lado, Dimas se mostrou um fracasso, por outro, Maluf continuou com grandes trabalhos.

"Nesses 11 anos, o Cruzeiro conquistou 16 títulos e 8 vices-campeonatos. Títulos expressivos. Eu tive a felicidade de ser Campeão Mineiro, da Copa do Brasil e Brasileiro. Jogamos diversas Copas Libertadores, fui vice-campeão da Libertadores, fomos vice na Copa Mercosul, que era um torneio importante. Nesse período, o Cruzeiro, foi o clube que durante 15 anos seguidos teve títulos, algo alcançado só pelo Real Madrid, no mundo inteiro. A vida nos ensina que no futebol nós temos o período que a gente é útil ao clube e o período em que você passa a não mais ter o seu serviços requisitados pelos clubes. Eu acho que eu não vou ser o primeiro, eu não vou ser o último. Eu tenho uma admiração grande pelo Cruzeiro e essa trajetória toda me deu, neste momento, uma tranquilidade muito grande. Eu pude rever alguns conceitos. Eu pude avaliar o prestígio profissional que tenho no Brasil inteiro, por todos os serviços prestados ao Cruzeiro. Então, nesse período todo, eu acho que eu saio vitorioso. Eu consegui, dentro da minha função, fazer o melhor", frisou na saída do Cruzeiro.

Depois de ser demitido por Perrella do Cruzeiro, Maluf assumiu o Atlético em junho de 2010. Na época, ele revelou ter recebido cinco propostas: Atlético, Internacional, Palmeiras, Fluminense e Flamengo.

Atlético

“Tenho onze anos de história vitoriosa e tive a oportunidade de escolher o local que eu gostaria de trabalhar. Quando o Kalil me ligou, foi muito rápido, ele me mostrou projeto dele, conversamos com o Vanderlei (Luxemburgo) e tenho certeza que temos tudo para fazer grandes conquistas aqui”, disse Maluf, em entrevista coletiva.

Ele foi o homem forte do futebol e um dos responsáveis pela fase de títulos importantes do clube. O trabalho começou com resultados tímidos, mas o Galo foi crescendo com o tempo. Ao lado de Kalil, contratou jogadores de impacto, como Jô, Ronaldinho Gaúcho, Victor, Lucas Pratto, Fred e Robinho, entre outros.

No início de janeiro, Maluf concedeu a última entrevista coletiva. Ele falou sobre o sentimento de lutar contra a grave doença. “Um tratamento de câncer não é fácil, é agressivo. Durante esse período, estive sempre à disposição do Daniel. Não vou voltar a ser Maluf 100%, e nem eu quero mais. Mas vou estar aqui todos os dias, acompanhar os jogos, chamar a responsabilidade para mim, para decidir o que precisa”, disse.

Fonte: Portal Superesportes