'Deputados estão dormindo mal'; chegou a hora de melhorar a qualidade do sono deles; E quem paga a conta?

"Pequenos motivos que justificam a necessidade do aumento de impostos"

Na próxima semana, os deputados federais vão decidir se a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR), que acusa o presidente Michel Temer (PMDB) de corrupção passiva, deve ou não seguir para o Supremo Tribunal Federal (STF). Talvez pensando na qualidade do sono de seus parlamentares nesse momento de turbulência, a Câmara dos Deputados abriu licitação para a compra de 60 camas box. A estimativa do Legislativo é que até R$ 80,4 mil sejam gastos com o pagamento desses itens.



A licitação, que é dividida em dois lotes, é de menor preço global e está marcada para ocorrer no dia 2 de agosto. De acordo com a justificativa da Câmara, a aquisição das camas é para “assegurar a habitabilidade dos imóveis funcionais” do Legislativo.

Para atender os 513 parlamentares, a Casa possui 432 imóveis funcionais destinados aos deputados e seus familiares e também paga auxílio-moradia àqueles que não foram contemplados com as residências. O valor mensal do benefício é de R$ 4.253, e os parlamentares afastados por até 120 dias da Câmara também têm direito a essa rubrica.

O primeiro lote do pregão eletrônico prevê a aquisição de 48 conjuntos de CAMAS BOX DE CASAL QUEEN SIZE. De acordo com as especificações do edital, o colchão deve ter molas ensacadas e, isolamento de feltro, e as laterais devem contar com alças e respiros. O conjunto também deve suportar carga, no mínimo, de 220 quilos. Além disso, as camas devem ser hipoalergênicas e tratadas contra parasitas, ácaros e fungos. A previsão da Câmara é que cada unidade seja adquirida pelo valor de R$ 1.311,33. Ou seja, a quantia para arcar com todo o lote é de R$ 62,9 mil.

Já o segundo lote prevê a compra de 12 CAMAS BOX KING SIZE, com as mesmas especificações do primeiro lote. Cada uma dessas camas foi avaliada em R$ 1.462, o que faz com que a aquisição de todo o lote chegue à cifra de R$ 17,5 mil.

Em fevereiro desse ano, o Senado Federal realizou uma compra semelhante à que a Câmara dos Deputados programa para agosto. No caso do Senado, o pregão eletrônico foi feito para adquirir 16 conjuntos de camas box e 21 colchões para as residências oficiais dos senadores. O certame custou R$ 19,8 mil aos bolsos dos contribuintes.

A justificativa para a aquisição dos objetos, de acordo com o Legislativo, era a iminente ocupação de seis apartamentos funcionais que estavam em reforma. Por isso, era necessário o complemento de mobiliário.