DNIT entrega apenas três quilômetros da nova pista da BR-381

O Governo Federal já gastou R$ 528 milhões com a duplicação.


No sábado, 19/08, foram liberados os primeiros três quilômetros da nova pista da BR-381. A pista continua em mão e contramão até a revitalização da atual pista. O trecho duplicado fica próximo ao município de Nova União, entre os kms 396 e 398.

Os trechos começam a ser liberados para os motoristas sete anos depois de a obra ser anunciada pelo governo federal e mais de três anos após o início das obras. A liberação, mesmo que a conta-gotas, é vista como avanço por empresários e lideranças da região, que assistiram nos últimos três anos a vários cortes de verbas e a adiamentos na obra.

A previsão é que até o fim do ano sejam entregues pelo menos sete quilômetros totalizando pouco mais de 2% do total de 303 quilômetros previstos para serem duplicados entre Belo Horizonte e Governador Valadares. Mas a conclusão do lote 7, entre os trevos de Itabira e de Caeté, está ameaçado. A previsão inicial da conclusão, pode ficar comprometida pela falta do repasse financeiro.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) reservou R$ 340 milhões para a conclusão do lote 7, entre o trevo de Itabira e o município de Caeté, e as obras de ligação nos túneis entre Nova Era e Antônio Dias.

Andamento dos lotes

Desde a assinatura da ordem de serviço, em 2014, diversos obstáculos surgiram para a obra. A previsão inicial era que cinco lotes seriam concluídos até 2016. Em 2015, a construtora espanhola Isolux-Corsán abandonou vários lotes em que ela era responsável, totalizando 133 quilômetros.


Conforme o Movimento Nova 381, os lotes 1 e 2, entre Governador Valadares e Jaguaraçu viraram alvo de um embate judicial entre as empresas ganhadoras da licitação para esses mesmos trechos e o Dnit. Novos estudos de viabilidade econômica e ambiental terão que ser feitos. Para dezembro é prevista uma nova licitação no lote 2 e também no 4, entre o Ribeirão Prainha e Nova Era.

O lote 3.1, entre Jaguaraçu e o Ribeirão Prainha, teve as obras iniciadas pela ECB em 19 de maio. Não há previsão para a conclusão desse trecho. Os lote 3.2 e 3.3 estão concluídos, com a construção de túneis em Rio Piracicaba e Antônio Dias, mas ainda falta a ligação das passagens com a rodovia.

Como o Dnit desistiu da variante Santa Bárbara, que faria uma nova ligação entre João Monlevade e Nova Era, os projetos dos lotes 4, 5 e 6 estão sendo refeitos, acompanhando o traçado atual da BR-381. Já o lote 8, entre o trevo de Caeté e o Anel Rodoviário em Belo Horizonte, não há nenhuma expectativa, uma vez que é discutido na Justiça os problemas de desapropriações às margens da via.

Entre 2014 e julho deste ano, o Governo Federal já gastou R$ 528 milhões com a duplicação. Para a conclusão é prevista ainda o custo de mais R$ 2 bilhões, sem previsão de conclusão da obra.