Disputa pelo Governo de Minas em 2018 está a 'todo vapor'

Pré-candidatos ao governo de MG invadem redes sociais e municípios

A pouco mais de um ano das eleições, três dos principais pré-candidatos ao governo de Minas se movimentam intensamente nas redes sociais em busca de visibilidade com os eleitores. Enquanto as costuras por alianças ocorrem nos bastidores, o governador Fernando Pimentel (PT), o ex-prefeito Marcio Lacerda (PSB) e o ex-presidente da Assembleia Dinis Pinheiro (PP) narram quase diariamente viagens pelas cidades mineiras em seus perfis no Facebook, Twitter, Flickr e Instagram.

Foto: Rede Social/Reprodução

Sem cargos públicos atualmente, Lacerda e Dinis não economizam nas fotos com prefeitos de dezenas de cidades. Os dois chegaram a comparecer mais de uma vez aos mesmos eventos, promovidos pela Associação Mineira de Municípios em parceria com o Tribunal de Contas, Assembleia e outros órgãos. O pretexto é sempre o mesmo: conversar com lideranças locais sobre as demandas dos municípios, gestão pública, crise econômica e os caminhos para Minas.

E são muitos os que acompanham, a julgar pelo número de curtidas. No Facebook, Pimentel tem 228,7 mil, Dinis tem 148,5 mil e Lacerda 35,2 mil.

“Fomos recebidos em Mateus Leme pelo prefeito Júlio Fares, vereadores e secretários municipais. Ótima oportunidade para conversar com as lideranças políticas e a imprensa da cidade sobre modernização e eficiência na gestão pública”, postou Lacerda em sua página na quinta-feira. Ele também foi recebido, nos últimos dias, por lideranças e entidades setoriais em cidades como Itaúna, Arcos, Formiga e Guarda Mor, Pitangui. Desde o início do ano, Lacerda já visitou mais de 50 municípios e vem participando de encontros com representantes de diversas áreas, como defensores públicos e empresários.

Na propaganda partidária do PSB na televisão exibida em junho, Lacerda estrelou a peça com discurso de candidato, falando do jeito de governar do partido. O mesmo tem sido reforçado no Facebook. Em um dos vídeos, exibido este mês, Lacerda exaltou seus feitos na PBH. “Somente foi possível fazer tantas obras em nossa gestão porque fizemos algo inédito na capital: elaboramos um planejamento estratégico de longo prazo, o que trouxe melhorias concretas para a vida das pessoas”, disse.

Lacerda ressalta projetos de seu governo, como o Complexo Esportivo Vale do Jatobá, no Barreiro, inaugurado em 2009. Desde o início do ano, tem relembrado inaugurações e obras feitas em sua gestão. No dia dos pais, o ex-prefeito destacou ter recebido o título de “amigo da criança” em sua gestão.

Dinis Pinheiro adota uma linha mais de oposição ao governador Fernando Pimentel (PT) e, sempre que pode, critica pontos da gestão petista e do governo federal. Cortejado por partidos como o DEM e o PTB para trocar de partido, Dinis tem apostado em vídeos nos quais conversa com os possíveis eleitores. Ele aparece andando de ônibus, de trem, comendo, correndo, recebendo homenagens e, claro, conversando com muitos prefeitos e lideranças nas cidades. O pré-candidato ao governo já esteve em mais de 70 cidades este ano e tem se movimentado cada vez mais.

Foco na trajetória e em projetos

Talvez o menos conhecido dos três, Dinis Pinheiro, que agora se apresenta apenas como Dinis, tem um vídeo fixado na página contando um pouco de sua trajetória. Nele, ele destaca ter sido duas vezes o deputado estadual mais votado e presidente da Assembleia. O pré-candidato também diz ter acabado com o 14º e 15º salários no Legislativo e proibido o pagamento auxílio-moradia para quem tem casa em Belo Horizonte e na região metropolitana – a atual gestão voltou com este último item. Ao apresentar projetos de sua autoria, o vídeo destaca que “Minas quer mudança”.

Dinis tem um Flickr no qual exibe fotos com eleitores de todas as regiões do estado. No Facebook, conta dos eventos que participa quase diariamente, como um seminário para prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, que reuniu cerca de 600 pessoas em Belo Horizonte na quinta-feira. Nos últimos dias, também mostrou a peregrinação por Timóteo, Coronel Fabriciano, Diamantina e Gonzaga.

À frente do governo de Minas, o governador Fernando Pimentel tem percorrido vários municípios nos Fóruns Regionais, criados por sua gestão para que as lideranças locais possam ajudar a definir as políticas públicas do estado. O petista já fez cerca de 50 viagens este ano. “Estive em Teófilo Otoni, no Distrito de Lajinha, para entregar o novo prédio da Escola Estadual da Liberdade. Investir em educação é um compromisso do nosso governo mesmo em um cenário difícil como oque estamos vivenciando no Brasil”, registrou em 8 de agosto.

Pimentel tem apostado nos vídeos nos quais fala diretamente aos eleitores. Sempre que pode, aproveita para dizer que Minas Gerais está enfrentando a crise melhor do que estados vizinhos, como o Rio de Janeiro. Pimentel também destaca os atos de governo, nos quais explica a repercussão de decretos ou ações. Ele fez isso, por exemplo, quando assinou títulos de regularização fundiária de propriedades rurais. “Só agora o estado tem trabalhado para regularizar, já assinei mais de mil desses títulos aqui”, comentou.

Em outra frente, Pimentel também fala de suas conquistas. No fim de julho, o governador divulgou um vídeo dizendo que sua articulação política evitou a retirada de 50 municípios mineiros da área da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), o que faria com que essas cidades perdessem uma série de benefícios do governo federal. “Minha presença nessa reunião da Sudene era imprescindível para evitar que Minas fosse prejudicada”, afirmou.

O QUE DIZ A LEI

Pré-campanha

A pré-campanha foi institucionalizada com a minirreforma eleitoral (Lei 13.165/15), passando a dar mais liberdades para aqueles que pretendem se candidatar de se movimentar. Tudo isso, desde que não haja pedido explícito de voto. Segundo a regra, não são considerados campanha eleitoral antecipada – e, portanto, estão liberados – os seguintes atos:

Divulgação de posicionamento pessoal sobre questões políticas, inclusive nas redes sociais

Realização de prévias partidárias com a distribuição de material informativo, divulgação de nomes, pedidos de apoio e debates entre os pré-candidatos

Realização de reuniões de iniciativa da sociedade civil, veículo de comunicação ou do próprio partido para divulgar ideias, objetivos e propostas partidárias

É vedada a transmissão ao vivo por emissoras de rádio e TV das prévias partidárias

Não pode pedir voto do eleitor